Tag Archives: Léon Dias

Léon Denis


 


Leon Dias

Reprodução Web

Leon Dias

Léon Denis (lê-se: dení) nasceu numa aldeia chamada Foug, situada nos arredores de Tours, na França, em 1º de janeiro de 1846, numa família humilde. Cedo conheceu, por necessidade, os trabalhos manuais e os pesados encargos da família. Desde os seus primeiros passos neste mundo, sentiu que os amigos invisíveis o auxiliavam. No lugar de participar em brincadeiras próprias da juventude, procurava instruir-se o mais possível. Lia obras sérias, conseguindo assim, com esforço próprio, desenvolver sua inteligência. Tornou-se um autodidata sério e competente.

Joana d’ Arc – parte III

joana-3

                                                                       Reprodução Web


Capítulo IX


A Prisão de Joana

“Fracassado o cerco da Charité, Joana foi chamada à Corte.
Bem depressa, porém, a inação começa a pesar-lhe, e ei-la novamente deixando-se arrebatar por seu ardor.

Abandona o Rei aos prazeres festas em que se comprazia e à frente de uma tropa que lhe era decidida voa para Compiégne, então assediada.

E aí que lhe sucede cair prisioneira do Conde de Luxemburgo, do partido da Borgonha. Durante uma das sortidas, que constantemente fazia, o governador da Cidade, Guilherme Flavy, mandou arriar o rastilho, e a heroína, não podendo mais na praça, foi capturada.”

Joana d’ Arc – parte II

joana-2

                                                                       Reprodução Web


Capítulo IX


Joana e a sua caravana continuam avançando

“Ao entrar em Chinon, a pequena caravana desfilou pelas :nas ladeirentas, margeadas de edificações góticas. ( … ) Desde logo, às portas das casas, ou nos serões à noite, junto à lareira crepitante, começam a circular de boca em boca maravilhosos contos, em que figura como protagonista a donzela que viera dos confins da Lorena, para cumprir as profecias e pôr termo a insolente fortuna dos ingleses. Joana e sua escolta pousaram “em casa de uma boa mulher, perto do Castelo”, sem dúvida a do gentil-homem Reignier de La Barre, cuja viúva, ou filha, recebeu a Pucela com muita alegria. Passou aí dois dias, sem conseguir a audiência que pedira. Mais tarde, alojou-se no próprio Castelo, na Torre de Condray. Afinal, a tão desejada entrevista lhe foi concedida.

Pular para a barra de ferramentas