Tag Archives: Kátie

William Crookes – parte III


 


 

Digitalizar0004

                     Foto: Acervo CMP

Capítulo XI

Mas a fotografia é tão impotente para representar a beleza perfeita do rosto de Kátie, quanto as próprias palavras o são para descrever o encanto de suas maneiras. A fotografia pode, é verdade, dar um desenho do seu porte; mas como poderá ela reproduzir a pureza brilhante de sua tez ou a expressão sempre cambiante dos seus traços, tão móveis, ora velados pela tristeza quando narra algum acontecimento doloroso da sua vida passada, ora sorridente, com toda a inocência de uma menina, quando reúne os meus filhos ao redor de si, e os diverte contando-lhes episódios das suas aventuras na Índia?

William Crookes – parte II

wc

                                                                 Reprodução Web


Capítulo XI


Pensando, pois, que tinha um espírito perto de mim, mas sim uma senhora,  pedi-lhe permissão de tomá-la nos meus braços, a fim de poder verificar as interessantes observações que um experimentador ousado fizera recentemente, de maneira tão sumária. Essa permissão foi-me graciosamente dada, e, por conseqüência, utilizei-me dela, convenientemente, como todo o homem bem educado o teria feito nessas circunstâncias. O Sr. Volckman ficará satisfeito ao saber que posso corroborar a sua asserção de que o “fantasma” (que, afinal, não fez nenhuma resistência) era um ser tão material quanto a própria Srta. Cook. Mas que vai seguir mostrará quão fundamento tem um experimentador, por maior cuidado que nas suas observações, em aventurar-se a formular uma importante conclusão quando as provas não existem em quantidade suficiente.

William Crookes

florence cook

Reprodução Web
Médium Florence Cook

Capítulo XI

Pedimos vênia à FEB, para transcrever do excelente livro “Fatos Espíritos” trechos abaixo, das  páginas 61 a 82.

A presença de William Crookes, o Grande Cientista Inglês, e a Mediunidade de Srtª Florence Cook.

 “As cartas seguintes apareceram nos jornais espiritualistas, nas datas que trazem, e formam a conclusão natural desta série de memórias.

“Senhor:

Esforcei-me o mais que pude para evitar toda controvérsia, escrevendo ou falando sobre assunto tão apaixonável quanto os fenômenos chamados espíritas. A não ser em muito pequeno número de casos, onde a eminente posição dos meus adversários poderia emprestar ao meu silêncio outros motivos que não os verdadeiros, não repliquei jamais os ataques e as falsas interpretações que a minha ligação a essa causa ocasionou contra mim.

Pular para a barra de ferramentas