Dona Oranides, Cozinheira da Creche Marieta Navarro Gaio é homenageada


Por (Eni)


WP_20151022_14_31_41_Pro

Foto Divulgação: Acervo CMP
Julio Moreira, Diretor Financeiro da CMP e a Cozinheira da Creche Marieta Navarro Gaio, Dona Oranides Marques da Silva

Jogar cascas de legumes e talos de verduras no lixo, é coisa do passado. Desperdiçar  alimento? E realmente é um desperdício! As cascas e talos são ricos em vitaminas e não devem ser jogados fora. Infelizmente, hoje em dia, 20% do que se compra em um mês é desperdiçado, sendo jogado no lixo. Em tempo de economia, poupar é preciso. Nessa culinária inteligente, Dona Oranides Marques da Silva usa toda sua criatividade e inteligência aproveitando talos de verduras e legumes.

WP_20151022_14_08_50_Pro

Foto Divulgação: Acervo CMP
A homenageada Dona Oranides Marques da Silva, Cozinheira da Creche Marieta
Navarro Gaio

Loja Maçônica Urias 2 nº 66 dá exemplo de amor ao próximo

WP_20151022_12_57_25_Pro

Foto: Reprodução – Acervo CMP


Por (Eni)


A entrega de um utensílio doméstico aconteceu na quinta-feira (15). Esta dedicação de amor ao próximo por parte da Loja Maçônica Urias 2 nº 66 , muito nos honra e enaltece

Não poderíamos esperar uma atitude diferente.

“Nos enche de orgulho assistir ao próximo com zelo, amor, dedicação e responsabilidade, que sempre foi a nossa meta. Com este gesto, multiplicam-se as nossas responsabilidades para com os nossos semelhantes que sempre foi o objetivo do nosso mentor e criador Henrique Magalhães.

Diria ele se aqui estivesse: “ Agradecemos aos Emissários de Deus o seu auxílio, sem o qual nada poderíamos fazer.

Jesus Cristo os abençoe e proteja, bem assim a toda a humanidade.

Crianças, nossos mestres

12112259_991691584185418_7992761439595662631_n

Reprodução


 


Vivemos uma época deveras interessante. Ao lado de muito desamor, sucedem-se exemplos de altruísmo e solidariedade.

Independentemente de serem ou não religiosas, as pessoas estão descobrindo que não há como ser feliz ao lado da desgraça alheia; que não há como gozar os bens da Terra, cega e loucamente, enquanto muitos carecem do pouco; que não se pode falar em paz no mundo se não a cultivamos no próprio jardim.

Enfim, que o homem somente pode alcançar a felicidade que idealiza se aprender a colaborar, construindo junto.

Nesse empenho, com esperança crescente, se veem associações, empresas, instituições investirem em qualidade de vida, em sustentabilidade, em cooperação mútua.

Somos, na Terra, um grande ser coletivo. O que a um afeta, ao outro alcança.

Pular para a barra de ferramentas