Creche Isabel a Redentora comemora a chega da estação das flores

Creche Isabel a Redentora comemora a chega da estação das flores

Por (Eni) A primavera é uma estação de muita cor, luz,  alegria e prosperidade. As paisagens enchem-se de cores, deixando ruas, campos, parques e jardins com o aspecto alegre Continue lendo >>>

Semana do Folclore na Creche Marieta Navarro Gayo

Semana do Folclore na Creche Marieta Navarro Gayo

Por  (Eni) O nosso país, é dono de uma riqueza cultural incomparável, graças à mistura entre diferentes etnias dos mais variados povos e culturas. O folclore brasileiro é bem Continue lendo >>>

Viva São Pedro e viva São João na Creche Marieta Navarro Gayo

Viva São Pedro e viva São João na Creche Marieta Navarro Gayo

Por (Eni) A festa junina é uma tradição e faz parte da cultura escolar, anima e promove a socialização entre crianças, famílias e professores. Os 75 alunos da creche Marieta Continue lendo >>>

Viva São João e viva São Pedro na Creche Isabel a Redentora

Viva São João e viva São Pedro na Creche Isabel a Redentora

Por (Eni) Neste clima  de muita descontração, alegria e animação, que as criancinhas  da Creche Isabel a Redentora realizou o Arraiá de São João no ultimo dia 27. “Festas Continue lendo >>>

Natal das Crianças nas Creches Isabel “a Redentora” e Marieta Navarro Gaio

Natal das Crianças nas Creches Isabel “a Redentora” e Marieta Navarro Gaio

Divulgação CMP Por (Eni) Com muitas brincadeiras, músicas, danças e presentes as crianças  das Creches Isabel  “a Redentora”  de Teresópolis e Marieta Navarro Gaio sediada em Rio de Janeiro, foram contempladas Continue lendo >>>

 

A menina abandonada num caixote

menina-abandonada

                          Reprodução Web


 


Alguém, na favela do Jacarezinho, RJ., abandonou uma criança do sexo feminino próximo à saída para a rua. Uma pessoa anônima comunicou o fato a uma patrulha da polícia e esta levou a criança, ainda com o cordão umbilical, para a delegacia. O Delegado, atrapalhado com o caso, lembrou-se de telefonar para a “Casa da Mãe Pobre”, solicitando-lhe o auxílio. Daí a momentos recebeu a resposta: – “Enviem a criança para a Instituição. Ficará sob a nossa responsabilidade.’

A menina era loura e sua pele enrugada dava-lhe a aparência de uma velhinha.

Cura singular

cura

Reprodução Web


 


Tínhamos adquirido o imóvel da Rua Ibituruna, 81. Para fazermos propaganda da Instituição e angariar algum dinheirinho, organizamos quatro festas no local durante o mês de novembro de 1951. Um grupo de companheiros nos secundava nesse trabalho. Entre eles se encontrava a senhorita Luzia e seu irmão João Cláudio. No último dia das festividades nenhum dos dois compareceu.

Estranhando o ocorrido, telefonamos na segunda-feira para a senhorita Luzia.

Informou-nos que naquele dia seu irmão amanhecera muito doente. No decorrer do diálogo, disse-nos que durante ligeira madorna o enfermo tinha-nos visto ao seu lado e que lhe teríamos asseverado que ele não ia falecer.

Inauguração do Hospital da “Casa da Mãe Pobre”

Foto: Acervo CMP


 


A nove de novembro de 1947 foi inaugurado o Hospital da Maternidade “Casa da Mãe Pobre”. Escolhemos esse dia por ser o domingo mais próximo do dia 10, quando a Instituição completaria oito anos de existência. Todavia, não tendo a Inspetoria de Águas ligado o precioso líquido em tempo hábil, obrigou-nos a transferir a abertura do Hospital, o que somente foi realizada a 20 de janeiro de 1948 o dia de S. Sebastião.

No dia da Inauguração, às 10 horas da manhã, a Rua Frei Pinto e suas adjacências estavam repletas de automóveis de pessoas que compareceram à inauguração.