Viva São Pedro e viva São João na Creche Marieta Navarro Gayo

Viva São Pedro e viva São João na Creche Marieta Navarro Gayo

Por (Eni) A festa junina é uma tradição e faz parte da cultura escolar, anima e promove a socialização entre crianças, famílias e professores. Os 75 alunos da creche Marieta Continue lendo >>>

Viva São João e viva São Pedro na Creche Isabel a Redentora

Viva São João e viva São Pedro na Creche Isabel a Redentora

Por (Eni) Neste clima  de muita descontração, alegria e animação, que as criancinhas  da Creche Isabel a Redentora realizou o Arraiá de São João no ultimo dia 27. “Festas Continue lendo >>>

Natal das Crianças nas Creches Isabel “a Redentora” e Marieta Navarro Gaio

Natal das Crianças nas Creches Isabel “a Redentora” e Marieta Navarro Gaio

Divulgação CMP Por (Eni) Com muitas brincadeiras, músicas, danças e presentes as crianças  das Creches Isabel  “a Redentora”  de Teresópolis e Marieta Navarro Gaio sediada em Rio de Janeiro, foram contempladas Continue lendo >>>

Natal das Crianças nas Creches Isabel “a Redentora” e Marieta Navarro Gaio

Natal das Crianças nas Creches Isabel “a Redentora” e Marieta Navarro Gaio

Divulgação CMP Por (Eni) Com muitas brincadeiras, músicas, danças e presentes as crianças  das Creches Isabel  “a Redentora”  de Teresópolis e Marieta Navarro Gaio sediada em Rio de Janeiro, foram contempladas Continue lendo >>>

Creches realizam festa de encerramento do ano letivo na Casa da Mãe Pobre

Creches realizam festa de encerramento do ano letivo na Casa da Mãe Pobre

Por (Eni)    Com o apoio da Casa da Mãe Pobre, as creches da Instituição Maria de Nazareth realizaram na tarde do dia 8 de dezembro (sábado),  a festa Continue lendo >>>

 

Edson Cavalcante de Queiroz – parte II


Capítulo XXXII


Este resultado confirma a suposição que fizemos por ocasião do exame físico do paciente.
Entretanto, conforme a descrição macroscópica da peça, todo o tumor foi retirado sem lesão de sua cápsula, isto é, sem fragmentações. Esse pequeno pormenor, mas de grande importância técnica, atesta que a extirpação do tumor foi completada numa operação delicada, logicamente, exigindo perícia e conhecimentos médicos cirúrgicos especializados.

B) Aspectos Anatômicos – a fim de que o leitor tenha uma idéia de anatomia da região operada, temos que apresentar o local exato da incisão e descrever sua topografia. O corte, de extensão, aproximadamente, entre 4 e 5 cm., começa a cerca de 3 cm., abaixo da parte mais posterior do arco zigomático e continua para baixo até, mais ou menos, 1 cm. acima do ângulo da mandíbula. Essa região topográfica é conhecida como parótida e está limitada, superficialmente, pela frente, com o bordo posterior do ramo da mandíbula; por trás, pelo bordo anterior do músculo esternocleidomastoideo; acima, pelo conduto auditivo e pela parte mais posterior do arco zigomático e, abaixo, por uma linha que se estende do ângulo da mandíbula até o bordo anterior do músculo esternocleidomastoideo. Profundamente ela vai até o processo estilóide e, adiante desta apófise, às partes laterais da faringe.

A incisão interessou uma pele fina e móvel, consequentemente, seccionando o tecido celular subcutâneo, bastante delgado e a ela arderente. Alcançou uma fáscia superficial, deixando à mostra alguns fascículos dos músculos cutâneo do pescoço e do risório, vasos de pequeno calibre e filetes nervosos, procedentes do plexo cervical, especialmente, do ramo auricular. Por baixo dessa fascia encontra-se o compartimento protídeo, formado pelas aponeuroses parótida, superficial e profunda, onde se aloja a glândula parótida. Não vamos aqui descrever, especialmente, as inserções dessas aponeuroses, já que pouco têm a ver com as finalidades deste trabalho.

O que nos interessa é oferecer aos colegas, pouco familiarizados com essa região, uma ligeira idéia sobre a sua anatomia, objetivando a importância e os conhecimentos indispensáveis ao cirurgião nela especializado.

o conteúdo desse compartimento protídeo, não se restringe, somente, à glândula parótida.
Nele encontramos, também, vasos e nervos importantes. A glândula, tem sua secreção, a saliva parótida, transportada por um único conduto que emerge ao nível da parte anterior da glândula.

Deve-se ter extrema cautela no manuseio cirúrgico dessa área, para não lesionar os duetos glandulares que formam o conduto de Stenon. Na parte Antero interna do compartimento protídeo, penetra a carótida externa, que atravessa a glândula parótida, num trajeto oblíquo, de baixo para cima e de dentro para fora, dando ramificações muito importantes, tais como, a artéria auricular posterior, a artéria maxilar interna e a artéria temporal superficial.

Há, igualmente, nessa área, a veia jugular externa que desce no interior do tecido glandular, por fora da carótida externa e em direção ao ângulo da mandíbula.

Não será preciso ter maiores conhecimentos para imaginar os sérios problemas e consequências que poderiam advir, se qualquer desses calibrosos vasos fosse lesado, principalmente, como no caso a que assistimos, operado num ambiente precário e sem condição para receber qualquer socorro técnico.

Entretanto, não são somente esses os elementos que tornam essas intervenções exigentes de muito cuidado e, como já afirmamos linhas antes, de habilidade, de conhecimentos e de complexas infra-estruturas técnicas especializadas. Passam, também, por essa área, o nervo aurícula temporal e o nervo facial, sétimo par craniano. O primeiro, ramo do nervo maxilar inferior que atravessa a glândula parótida, de baixo para cima e nesse trajeto emite ramos para a própria glândula. Quando lesionado ou seccionado, acarreta problemas na secreção da saliva parótida.

O nervo facial, penetra a glândula, atravessando-a, horizontalmente; está por fora da artéria carótida externa e da veia jugular externa, bifurcando-se num ramo temporofacial e noutro, cervicofacial.

Nesses segmentos pode ser atingido e conforme a lesão, provocar paralisias faciais e outras variadas alterações.

Terminamos aqui nossas considerações sobre esta operação cirúrgica a que assistimos, convictos de que não há como negar ou discutir a sua condição de para normalidade. Por tudo que vimos e que nossa medicina não explica, só nos resta agradecer ao colega desencarnado que nos mostrou pequena faceta do mundo extracorpóreo com seus maiores recursos, mas, também, com exigências e responsabilidades, bem exemplificadas no infatigável, caridoso e desinteressado trabalho que foi realizado.

Que Deus possa abençoar toda a equipe de Espíritos que esteve conosco no Grupo Espírita Regeneração e que a sua infinita misericórdia possa continuar a envolver muitos de nossos colegas que, apesar de tudo a que assistiram e de que agora tomaram conhecimento, negam ou comportam-se como aquele surpreso e agradecido pai que vendo seu filho curado por Jesus, disse: “Eu creio Senhor, mas ajuda a nossa incredulidade”. (Mateus – 9.24).”

“O Voz da Experiência”

Por oportuno, lembramos aqui o conselho de Emmanuel, Espírito avançado, portador de grandes esclarecimentos:

“Os dons diferem, a inteligência se caracteriza por diversos . graus, o merecimento apresenta valores múltiplos, a capacidade é fruto do esforço de cada um, mas o Espírito Divino que sustenta as criaturas é substancialmente o mesmo.”

Anotamos:

“O Grupo Espírita Regeneração, que foi, aliás, a única Instituição fundada pelo Dr. Adolfo Bezerra de Menezes, em 18 de fevereiro de 1891, mantém em sua sede – na Rua São Francisco Xavier, 609, Tijuca, RJ – intensa atividade de amparo material e espiritual a um crescente número de pessoas, realizando às segundas-feiras a partir das 17h30mim, reunião pública de tratamento fluídico, com o estudo de “O Evangelho Segundo o Espiritismo” e de “O
Livro dos Espíritos”; às terças-feiras realiza também, às 19h30 mim e 20h, reuniões públicas doutrinárias.”

E nós comentamos:

As esse relato maravilhoso, levado a efeito, por três famosos cientistas, os quais constataram que foram beneficiados cento e cinquenta e nove criaturas humanas, em apenas dois dias, não só com receituário apropriado como também com operações várias, afirmamos que a algumas delas também assistimos e damos o nosso testemunho.

Um dos beneficiados – tão bem discriminado por esses três cientistas – continua trabalhando em sua casa comercial, em Copacabana, no Rio de Janeiro, na Rua Santa Clara, 110. Chama-se Guilherme Diniz Dias, casado, pai de 3 filhos. Por sua vez, é filho do Sr. Artur de Almeida Lemos, nosso companheiro na Diretoria da “Casa da Mãe Pobre”, onde colabora há mais de trinta anos, e preside a diretoria do Hospital Pedro de Alcântara, na Rua Santa Alexandrina, 667 – Rio Comprido-RJ.

Dos três médicos que naquela oportunidade tinham-se esquivado de operar o paciente, um deles fazia parte da equipe de médicos da “Casa da Mãe Pobre”. Eles receavam danificar algum ou alguns nervos do ouvido do paciente, inutilizando-o. Daí a sua recusa e cuidados.

Por esse detalhe também podemos avaliar os conhecimentos científicos daquele valoroso médico da Espiritualidade, Dr. Adolph Fritz, não só na medicina geral, mas, sobretudo, na cirúrgica.

Este caso, tão amplamente explicado por quem de direito, foi levado a efeito em julho de 1984, portanto, há treze anos da edição deste livro. Após esse tempo, o paciente continua trabalhando, normalmente, em sua casa comercial, atendendo, inclusive, a quem o procurar, para testemunhar o que descrevemos.

Extirpado que foi o clamoroso caroço, a cura processou-se naturalmente e nunca mais o incomodou.

As ciências da Terra ainda não alcançaram a sua plenitude, e todos nós, os Filhos de Deus que a povoam, somos aprendizes, na maioria das situações. Contra fatos, não prevalecem argumentos.

Convite do Dr. Edson Queiroz

No domingo em que terminaram os trabalhos aqui, no Rio de Janeiro, o Dr. Edson telefonou-me de noite, convidando-me para acompanhá-los em sua viagem à Cidade de São Paulo. Iam viajar de noite, para aproveitar o tempo.

Não pude atender ao convite devido às minhas responsabilidades no Hospital da “Casa da Mãe Pobre”.

Quem estará capacitado, nos dias atuais, a viajar para as capitais de quase todos os estados desse grande país, proeza realizada pelo Dr. Edson e sua esposa e dois acompanhantes? Sem incluir outras despesas, quanto gastariam em cada viagem? Não sabemos.
Nada nos pediram, e nada lhes pagamos, nas duas visitas, e trabalhos espirituais, quando vieram ao Rio de Janeiro.

 



… pág. 1  2  3  4  5


 

Seguem os estudos dos distintos médicos Dr. Roberto Silveira, Dr. Paulo Cesar C. Monteiro e Dr. Roberto Silveira Filho, que presenciaram os primeiros trabalhos realizados no Rio de Janeiro pelo Dr. Adolph Fritz, aos quais pedimos vênia para transcrever.

Fonte: Em Prol da Mediunidade

Pequena História do Espiritismo de Henrique Magalhães



 

 

CONTATO

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...