Doenças Reumáticas: mal que atinge todas as idades

artrose
                         Reprodução Web

 


Artrose, artrite reumatoide, lúpus, fibromialgia, tendinites, bursite, gota, febre reumática e osteoporose são algumas das doenças reumáticas mais comuns. Ao contrário do que muita gente pensa, elas não atingem somente idosos. Podem atingir pessoas de todas as idades e qualquer gênero, sendo mais prevalente nas mulheres, principalmente a partir dos 40 ou 50 anos. Quem faz o alerta é o presidente da Sociedade Brasileira de Reumatologia, Dr. Walber Pinto Vieira.

“Um dia fui dormir e no outro acordei sem conseguir mexer o braço nem as pernas. Já não tinha quase movimento”, conta a engenheira civil Jacqueline Dias, 50 anos. Descobriu a artrite reumatoide há 20 anos e passou quase 10 sem conseguir fazer exercícios. “Comecei com uma dor no ombro e pensava que era de jogar tênis”, lembra Jacqueline.

Ela conta que sentia muitas dores e passou por vários tratamentos. Um ano atrás, começou a tomar um remédio disponibilizado pelo SUS e melhorou muito. O medicamento, que tem como substância ativa o Etanercepte, é um anti-reumático de uso injetável, indicado para o tratamento de artrite. “Faz um ano que tomo esse remédio e melhorei uns 90%. Esse eu pego pelo SUS, são duas caixas, que duram um mês e é quase 50 mil reais se fosse no particular. Graças ao medicamento, consigo fazer exercício sem dor e tenho mais liberdade de movimento”, comemora Jacqueline.

O reumatologista Walber Pinto explica que esse é um remédio biológico. “Eles (os biológicos) chegaram para mudar o tratamento. Antes a gente tratava os pacientes e chegava a um ponto que não tinha mais respostas. E os biológicos têm mudado essa realidade”, comenta Walber.

Mesmo atingindo todas as faixas etárias, existem alguns fatores de risco que contribuem para as doenças reumáticas. São eles o fumo, a idade avançada, obesidade, consumo de bebidas alcoólicas em excesso e ingestão de alguns fármacos. “Recomendamos que tenha praticas saudáveis, combata a obesidade, faça uma atividade física constante, evite fumo e bebida alcoólica. E ao sentir dores ou inchaço nas articulações periféricas, procure o reumatologista”, sugere o Dr. Walter Pinto.

Walber lembra que para o diagnóstico o fundamental é o exame clínico, pois ele que comprova a doença. “É a conversa com o paciente e o exame físico que representa cerca de 70% do diagnóstico. O exame de sangue e o exame de imagem são complementares na comprovação do diagnóstico”, explica o reumatologista.


Lucas Leon / Blog da Saúde



 

 

CONTATO

Por eni

Entidade Filantrópica - "Vivendo de de caridade para a caridade desde 1940".

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.